quinta-feira, 4 de maio de 2017

Minha lucidez...


A inesperada silhueta da sombra
 que a noite desperta
 entre o luar e as árvores nuas
 aproxima-me do promontório abismo
 insondável dos meus sonhos negros.
 Nem a mão que repousa
 na esperança da luz total das tuas mãos
 me devolve à plenitude da lucidez. 
 Há um espaço por preencher 
 no relevo da parábola verbo
 que esventra a noite
 quando a tua ausência é presente.
 Dilacero as esquinas do granito, 
 mãos ensanguentadas no pescoço da madrugada
 até que o sal apazigue a angústia
 ou a bebedeira me passe. 

 Efeneto

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário