sábado, 11 de fevereiro de 2017

No tempo, o amor...


Em algum lugar do passado
 repousa um amor perdido,
 abandonado que nunca foi vivido realmente...
 Um amor que nasceu sublime de centelhas
 das estrelas
 correu livre pelas manhãs,
 nos prados a pastorear ovelhas...
 Dormiu à sombra das árvores
 colheu flores ao pé da montanha 
banhou-se no grande lago
 mergulhou em tantas cascatas...
 Em algum lugar do passado ficou perdido,
 serenamente o meu desejo de amar eternamente
 alguém que passou por mim...
 Não era o paraíso
 mas era tão semelhante...
 não pudemos perceber
 a malévola serpente... 

 Tere Penhabe

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz. 
Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário