quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

No teu limite...


Sussurra meu nome na candura do verso
escreve em minha pele teus emaranhados de ilusões
serei o horizonte para colorir teus dias e nas noites
translucidas de poesia
desnudarei meu corpo para que escrevas teus poemas e
o eco das tuas palavras 
Rompa a solidão que anda distante do silencio ruidoso
Dos pássaros nos jardins...

E no limite de teu anseio
Serei tua estirpe... tua força...
A energia do teu corpo... As tuas asas...
Voejarei como se fora uma ave
Agitada e espargida ao vento...
Sou teu verão nas auroras ardentes...

Celina Vasques

Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz.
Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário