quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Nossa alma...


Aquelas nuvens que vemos,
 Esses poemas aéreos,
 São os sonhos que nós temos,
 Nossos íntimos mistérios!
 São espelhos flutuantes 
Das nossas dores constantes 
Aquelas nuvens que vemos...
 Nossa alma vai-se com elas,
 À procura, quem o sabe?
 Doutras esferas mais belas,
 Já que no mundo não cabe...
 Voando, sem dar um grito,
 Através desse infinito,
 Nossa alma vai-se 
Com elas!

 Antero de Quental

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário