sábado, 29 de agosto de 2015

Discreta...


Sinto o fado em silêncio e o corpo em decadência
 Denegrido por cravos de uma saudade secreta
 Traço-a escrita e descrita na dor da tua ausência
 Lançando o vazio na poesia de forma discreta
 Sinto floreadas e disfarçadas nas noites urbanas 
As palavras polidas na taciturnidade que se sente
 Quero que a cidade oiça o vazio de semanas
 Porque o suicídio da saudade está iminente 
Agora que as pestanas da cidade apreciam o momento 
Em que o silêncio se quebra nas cordas de uma guitarra Entrelaço os dedos no teu corpo vestindo o sentimento Sentindo o prazer de te ter num abraço que nos agarra

 Leandro Silva

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário