quarta-feira, 1 de julho de 2015

Despedida.


Amor...
Julguei que na distância te esquecia
 Sem dor, sem qualquer ressentimento 
Mas no tempo que passa dia, a dia
 Nunca tu me sais do pensamento.
 Não tenho mais prazer, ou alegria
 Nem a luz do sol me dá algum alento
 E o meu olhar que sempre te sorria
 Só tem nos dias de hoje sofrimento
 Sempre que lembro o jeito do teu ser
 E a ternura que tinhas ao me ver
 E o doce reluzir do teu olhar …
 Amargo a minha desventura
 Fecharam-se as portas da ventura
 Que a vida tem só tristeza para me dar.

 Susete Evaristo

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário