sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Perdoa-me...


Este é um poema de amor
 tão meigo, tão terno, tão teu...
 É uma oferenda
 aos teus momentos de luta
 e de brisa e de céu... 
 E eu, quero te servir a poesia
 numa concha azul do mar
 ou numa cesta de flores do campo.
 Talvez tu possas entender o meu amor.
 Mas se isso não acontecer,
 não importa. 
 Já está declarado 
e estampado nas linhas e entrelinhas
 deste pequeno poema, o verso; 
 o tão famoso e inesperado verso
 que te deixará pasmo,
 surpreso,
 perplexo...
 eu te amo, 
perdoa-me, eu te amo...

 Cora Coralina 


 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz. 
Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário