quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Seguir sempre...


E quando não há mais nada a dizer?
 Conversa de silêncios,
 um sem jeito, quedar-se em cismas...
 Nada a dizer, nada a fazer...
 Indiferente às suas dores,
 Surdo às suas súplicas,
 Cego às suas lágrimas
 - O rio da vida segue seu curso.
 Nada preocupado com você...
 Minha eterna sede de ir embora!...
 Não há adeus bastante que me sacie!
 É preciso seguir sempre, 
até não me ver mais na estrada... 
 De tanto dizer adeus,
 o que me dói mesmo é a chegada...
 Mareja-me os olhos chegar...
 Porque lá (seja onde for)
 também não é meu lugar... 

 Márcia

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz. 
Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário