quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Vento amigo..



Debruço meu coração bem devagar; 
Nas margens sinuosas da realidade...
 Então a agonia o pega e me invade;
 Levanto-o depressa para não afogar...
 A vida como sempre bem apressada; 
Olha o que é belo para ter esperança...
 E o que meu sentimento não alcança; 
Some dos meus olhos como um nada...
 Quero de volta os sonhos que voaram;
 E por entre nuvens fofas se grudaram... 
Desfeitos pela aragem infinita do tempo!
 Procuro juntar meu tão efêmero amor... 
E revesti-lo com pétalas de alguma flor; 
Antes que o carregue para longe,
 o vento...

 Joyce Sameitat

 Hoje, Ame intensamente e Seja muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário