segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Minha alma..


A culpa é da fronteira
 que nos separa do infinito. 
Elas são responsáveis: as montanhas cinzas. 
Ela...
 A densa vida!
 Vida?
 Uma lágrima solitária caminha por meu rosto. 
Agora outra, mais uma e o pranto é iminente.
 Choro a confusão dos meus olhos.
 Reclamo a cegueira da minha alma. 
Luto contra a selvagem carga das montanhas cinzas.
 Minha vida está em guerra, e...
 Tudo é estranho.
 Montanhas que não enxergo.
 Pedras no meu caminho...
 As cores sumiram
 Abro os olhos...
 O amanhã e o futuro: coisas invisíveis. 
 Algumas vezes queria não ver nada.
 Outras, quando vejo as montanhas cinzas,
 sinto falta do arco-íris (o colorido da existência),
 Mas tudo é escuro...
 Onde estás, vida?
 Quem sabe atrás do cinza das montanhas!
 Destas montanhas que, na verdade, são verdes,
 Porque cinza está meu coração.
 Um coração que bate o colorido que não vejo... 
O colorido que não quero ver!

 Eduardo Miranda

 Hoje, Ame intensamente e Seja Muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário