quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Meu abrigo.


Desculpe-me
 pelas lágrimas que derramei,
 Desculpe-me
 por ser fraco diante do amor,
 O homem também chora;
 por isso eu chorei,
 Quando você veio dizendo que tudo acabou.
 O amor não mede força nem coragem,
 Por mais forte que seja; também amolece,
 Quando o homem percebe que está perdendo,
 O seu lado de durão e valente esmaece. 
 Eu sou fraco diante do amor - lhe confesso,
 Quando amo, entrego por completo,
 Vivo intensamente o amor - eu lhe peço,
 Deixe-me deleitar com o seu afeto.
 Sou um naufrago no mar do amor, 
Você é a minha ilha meu abrigo,
 O vento da solidão me acoitou,
 Na deriva da vida encontrei contigo.

 Alvimar 

 Hoje, ame intensamente e Seja muito feliz.
 Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário