sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Em mim.




E me ponho
 a falar pelos vazios corredores
 de mim mesmo...
 Olho com olhos de vigia
 ansiosamente como se
 esperasse alguma coisa,
 e o coração sabe
 que já não há nada para além do horizonte.
 Meus pensamentos
 não se têm mais nada que dizer:
 marinheiros a bordo de um navio no porto;
 companheiros de reclusão
 ao fim de anos de companhia;
 exilados num quarto de hotel
 num dia de chuva...
 Estou internado em mim mesmo
 sem esperanças, sem remédio...
 E me ponho a escrever
 nas paredes da cela do meu tédio...
 Mal insidioso e sem cura
 Ninguém o vê:
 ...eu vou ficando louco de Você... 

 J.G. de Araujo Jorge

 Hoje, ame intensamente e seja muito feliz. 
Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário