terça-feira, 28 de agosto de 2012

Cavalgar.



Quisera eu,
 Rever pela sombra
 A ternura bebida nos lábios,
 Naquela fonte vertendo em vinho Envelhecido nas invernadas, 
 Nas talhas do coração!
 Quem me dera,
 Ser o mar com ondas rolar,
 Navegar, navegar e navegar...
 Pudesse eu, 
 Ter na grande tela
 A candura do seio gentil,
 Gerado entre as flores de Monet,
 Alçando pel’alma em êxtase
 Sempre as cores de uma aurora!
 Quem me dera,
 Ser os verdes campos,
 Cavalgar, cavalgar e cavalgar...

 Gostaria eu,
 Ter nas linhas da seda 
 A palavra seduzida desnuda
 Em preces cantantes,
 Orações ofegantes,
 o olhar em leituras
 No puro e majestoso amar!

 Auber Fioravante Júnior 

 Hoje, Ame intensamente e Seja muito feliz. 

Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário