terça-feira, 26 de junho de 2012

O Jangadeiro





Jangadas no mar

 Ao romper da madrugada 
os pescadores saem
 com suas jangadas
 para o mar
 deixando nas brumas
 um rastro de espumas.

 Sobre as ondas, 
o sol fulgurava no horizonte
 um ponto branco oscilava
 era um jangadeiro 
na sua romaria
 ganhando o pão de cada dia.

 E na solidão do mar silencioso
 a jangada deslizava
 no oceano misterioso
 quando de repente 
uma forte ventania
 o tempo mudara...
 uma tormenta surgia.

 Surpreendida por um temporal
 uma tormenta 
com uma força mortal 
a jangada desesperada
 luta 
para no fim 
soçobrar pela força bruta.

 Súbito, 
a tempestade se acalma
 O mar calmo 
A jangada bóia,
 o pescador some... 
O mar...
 também tem fome.

 Joseph Dalmo

 Hoje, Ame intensamente e Seja muito feliz. 

Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário