quinta-feira, 28 de junho de 2012

Espelhos.





CORAÇÃO DESERTO

 Descortino os anos
 no vento
 sem danos
 sem véus, 
na minha alma deserta. 

 Abrem-se as cortinas do tempo
 entre frisos vermelhos da tarde,
 o deus da luz celebra 
o amor nas constelações
 No âmbar dum mistério frívolo
 reinvento anseios outros.

 Vislumbro nova estrela lilás
 onde o desenho se converge
 Então, no éter observo
 os matizes 
que dão forma e brilho
 ao encanto
 e este passa
 pela fresta do espelho
 para refletir no coração
 pulsando só.

 Ceição Bentes 

 Hoje, Ame Intensamente e Seja Muito Feliz. 

Felicidades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário